Bula Pariet®

rabeprazol sodico

janssen-cilag

 

1

 

 

MODELO DE BULA

 

comprimidos revestidos

 

rabeprazol sódico

 

 

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES

 

Comprimidos revestidos de 10 mg (cor-de-rosa), para liberação entérica, em embalagem com 14 comprimidos revestidos.

 

Comprimidos revestidos de 20 mg (amarelo), para liberação entérica, em embalagem com 7, 14 ou 28 comprimidos revestidos.

 

USO ADULTO

 

COMPOSIÇÃO

 

Cada comprimido revestido de 10 mg contém:

 

) equivalente a 9,42 mg de rabeprazol base

 

Excipientes: cera de carnaúba, dióxido de titânio, estearato de magnésio, etilcelulose, ftalato de hipromelose, hiprolose, hiprolose substituída, manitol, monoglicerídeo diacetilado, óxido de ferro vermelho, óxido de magnésio e talco.

 

Cada comprimido revestido de 20 mg contém:

 

equivalente a 18,85 mg de rabeprazol base

 

Excipientes: cera de carnaúba, dióxido de titânio, estearato de magnésio, etilcelulose, ftalato de hipromelose, hiprolose, hiprolose substituída, manitol, monoglicerídeo diacetilado, óxido de ferro amarelo, óxido de magnésio e talco.

 

INFORMAÇÕES AO PACIENTE Ação esperada do medicamento

cicatrização de úlceras e melhora da dor associada a estas condições.

 

pertence a uma classe de medicamentos chamada Inibidores da Bomba de Prótons.

 

CONFIDENCIAL

 

2

 

 

.

 

Cuidados de armazenamento

 

Conservar em temperatura igual ou inferior a 25ºC.

 

O produto não deve ser colocado na geladeira ou no congelador.

 

Prazo de validade

 

10 mg não deve ser usado após três meses da abertura da bolsa de alumínio.

 

Gravidez e lactação

 

ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após seu término. Informar ao médico se está amamentando.

 

Cuidados de administração

 

.

, a dose recomendada é um comprimido amarelo (em combinação com dois antibióticos) duas vezes ao dia.

 

O comprimido deve ser engolido inteiro e não deve ser mastigado nem triturado. Se você acidentalmente ingerir mais comprimidos do que a dose recomendada, consulte seu médico. Se você esquecer de tomar o comprimido, tome-o imediatamente ao se lembrar e então prossiga o tratamento como de costume. No entanto, se já estiver na hora de tomar o próximo comprimido, simplesmente desconsidere o comprimido que você esqueceu.

 

CONFIDENCIAL

 

3

 

 

Interrupção do tratamento

 

Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico. O alívio dos sintomas normalmente ocorre antes que a úlcera esteja completamente cicatrizada. Portanto, você deve continuar o tratamento durante o período prescrito pelo médico.

 

Reações adversas

 

* é bem tolerado. As reações adversas mais comuns são diarréia e dor de cabeça que, geralmente, desaparecem espontaneamente.

 

Algumas vezes, dor abdominal, gases, fraqueza ou boca seca podem ocorrer. Se você experimentar desconforto excessivo, procure seu médico.

* e procure o médico.

 

Raramente, pode ocorrer redução de glóbulos brancos e/ou plaquetas sangüíneas. Assim, caso você apresente hematomas inexplicados, procure imediatamente o médico.

 

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

 

Ingestão concomitante com outras substâncias

 

* pode alterar o efeito de certos medicamentos, por exemplo:

 

  • cetoconazol, um medicamento para infecções fúngicas;

 

  • digoxina, um medicamento para certas doenças cardíacas.

 

*.

 

Contra-indicações

 

não deve ser utilizado durante a gravidez e a lactação.

 

Precauções

 

pode alterar o efeito de certas drogas, como por exemplo, cetoconazol, um medicamento para infecções por fungo, e digoxina, um medicamento para

 

CONFIDENCIAL

 

4

 

 

certas doenças do coração. Informe seu médico se você apresentar alguma doença do fígado.

* não deve ser administrado em crianças.

 

afete sua habilidade de dirigir ou operar máquinas. No entanto, se você se sentir sonolento, evite dirigir ou operar máquinas.

 

NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO, PODE SER PERIGOSO PARA A SAÚDE.

 

INFORMAÇÕES TÉCNICASFarmacodinâmica

 

-ATPase, na superfície secretora da célula parietal gástrica.

 

Este sistema enzimático é considerado como uma bomba de ácido (prótons) e, assim, o rabeprazol sódico é classificado como um inibidor da bomba de prótons gástrica, bloqueando a etapa final da produção do ácido. Tal efeito é dependente da dose administrada do produto, levando à inibição da secreção ácida tanto basal como estimulada, independentemente do tipo de estímulo. O rabeprazol sódico é destituído de propriedades anticolinérgicas.

 

Os estudos pré-clínicos indicam que após sua administração, o rabeprazol sódico desaparece rapidamente do plasma e da mucosa gástrica.

 

-ATPase. O efeito inibidor do rabeprazol sódico aumenta ligeiramente com doses únicas diárias repetidas, alcançando o estado de equilíbrio de inibição após 3 dias. Quando a droga é descontinuada, a ação secretora normaliza-se dentro de 2 a 3 dias.

 

está associado à doença ácido-péptica, incluindo úlcera duodenal e úlcera gástrica, e representa o principal fator de contribuição para o desenvolvimento de gastrite e

 

CONFIDENCIAL

 

5

 

 

e carcinoma gástrico.

 

. Além disso, em pacientes com infecção persistente, o desenvolvimento potencial de resistência secundária (em pacientes com cepas primárias susceptíveis) a um agente antibacteriano deve ser levado em conta ao considerar um novo esquema de re-tratamento.

 

foram tratados 1 vez ao dia com 10 ou 20 mg de rabeprazol sódico, durante um período de até 43 meses. Os níveis de gastrina sérica aumentaram durante as primeiras 2 a 8 semanas de tratamento, refletindo o efeito inibidor do produto sobre a secreção ácida e permaneceram estáveis enquanto o tratamento foi continuado. Em geral, os valores de gastrina retornaram aos níveis pré-tratamento em 1 a 2 semanas após a descontinuação da terapia.

 

Ratos:

 

Tumores carcinóides gástricos foram observados em um dos dois estudos de carcinogenicidade realizados durante 24 meses em ratos, mas não em estudo similar em camundongos. Tumores carcinóides gástricos e hiperplasia de células neuroendócrinas gástricas foram registrados em ratos fêmeas, em todos os níveis de dose. Em ratos machos houve hiperplasia mínima de células neuroendócrinas gástricas e não foram registrados casos de tumores carcinóides gástricos. Tem sido proposto que tal efeito sobre as células neuroendócrinas seja decorrente da hipergastrinemia secundária à hipocloridria prolongada e mantida durante o tratamento.

 

CONFIDENCIAL

 

6

 

 

Humanos:

 

.

 

Em mais de 400 pacientes, tratados com rabeprazol sódico (10 ou 20 mg/dia) por até 1 ano, a incidência de hiperplasia nas células ECL foi baixa e comparável com a observada com omeprazol (20 mg/dia); nenhum paciente apresentou alterações adenomatóides ou tumores carcinóides como observado em ratos.

 

nervoso central, cardiovascular ou respiratório. O rabeprazol sódico, administrado em doses orais de 20 mg durante 2 semanas, não exerceu efeito sobre a função tireoidiana, sobre o metabolismo dos carboidratos ou sobre os níveis circulantes de paratormônio, cortisol, estrogênio, testosterona, prolactina, glucagon, hormônio folículoestimulante (FSH), hormônio luteinizante (LH), renina, aldosterona ou hormônio somatotrófico.

 

Farmacocinética

 

e a extensão da absorção (AUC) não é alterada.

 

CONFIDENCIAL

 

7

 

 

 

proteínas plasmáticas humanas.

 

Humanos sadios

), o único que apresenta ação anti-secretora, foi observado apenas em baixos níveis e nos indivíduos após 80 mg de rabeprazol sódico.

 

Disfunção renal

 

foram 35% menores que os parâmetros correspondentes em voluntários sãos. A meia-vida média do rabeprazol foi 0,82 h em voluntários sadios, 0,95 h em pacientes durante a hemodiálise e 3,6 h pós-diálise. A depuração do fármaco em pacientes com doença renal exigindo hemodiálise de manutenção foi aproximadamente o dobro daquela em voluntários sadios.

 

Cirrose crônica compensada

 

aumentado 50% comparado a indivíduos saudáveis de ambos os sexos.

 

Disfunção hepática

 

apenas 1,2 vezes. A meia-vida do rabeprazol em

 

CONFIDENCIAL

 

8

 

 

pacientes com insuficiência hepática foi 12,3 h comparado a 2,1 h em voluntários sadios. A resposta farmacodinâmica (controle do pH gástrico) foi clinicamente comparável nos dois grupos.

 

Polimorfismo do CYP2C19

 

aumentou em apenas 40%.

 

Idosos

 

apresentou um acréscimo de 60% quando comparada com voluntários sadios jovens. Entretanto, não houve evidência de acúmulo da droga.

 

INDICAÇÕES

 

é indicado para:

 

  • Tratamento de úlcera duodenal ativa, úlcera gástrica benigna ativa e doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) sintomática, erosiva ou ulcerativa.

 

  • Tratamento a longo prazo da Doença do Refluxo Gastroesofágico (Tratamento de manutenção da DRGE)

 

  • Tratamento sintomático da Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE sintomática)

 

  • em pacientes com doença ulcerosa péptica ou gastrite crônica; - tratamento de cicatrização e prevenção da recidiva de úlceras pépticas em pacientes com úlceras associadas ao

 

 

 

CONTRA-INDICAÇÕES

 

rabeprazol sódico é indispensável, a amamentação deve ser interrompida.

 

 

CONFIDENCIAL

 

9

 

 

PRECAUÇÕES E ADVERTÊNCIAS

 

Malignidade preexistente

 

.

 

Engolir o comprimido sem mastigar

 

Os pacientes devem ser alertados para não mastigar ou triturar o comprimido, que deve ser deglutido inteiro.

 

Paciente com disfunção hepática grave

 

em pacientes com disfunção hepática grave.

 

A exposição ao rabeprazol sódico (AUC) em pacientes com disfunção hepática significante é aproximadamente duas vezes maior que em paciente saudáveis.

 

Gravidez

 

* não deve ser utilizado durante a gravidez.

 

Lactação

 

* não deve ser usado durante a amamentação. Quando a administração de rabeprazol sódico é indispensável, a amamentação deve ser interrompida.

 

Efeitos sobre a habilidade de dirigir e operar máquinas

 

* cause alteração do desempenho ao dirigir ou comprometa a habilidade de operar máquinas. No entanto, se o estado de alerta estiver alterado devido a sonolência, deve-se evitar dirigir ou operar máquinas complexas.

 

CONFIDENCIAL

 

10

 

 

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

 

Sistema citocromo P450

 

com microssomas hepáticos humanos indicaram que o rabeprazol sódico é metabolizado através das isoenzimas CYP2C19 e CYP3A4.

 

Estudos desenvolvidos em indivíduos sãos demonstraram que o rabeprazol sódico não sofre interações farmacocinéticas ou clinicamente significativas com outros fármacos metabolizados por este sistema, como varfarina, fenitoína, teofilina ou diazepam (independente do fato do indivíduo ser metabolizador extensivo ou fraco de diazepam).

 

da 14-hidroxiclaritromicina (metabólito ativo da claritromicina) aumentaram 42% e 46% durante o tratamento combinado comparado a valores obtidos durante a monoterapia. Este aumento na exposição ao rabeprazol e a 14-hidroxiclaritromicina não é considerado clinicamente significante.

 

Interação referente a inibição da secreção do ácido gástrico

 

.

 

Antiácidos

 

Nos estudos clínicos realizados com o uso concomitante de rabeprazol sódico e antiácidos e particularmente em um ensaio farmacocinético específico desenhado com o objetivo de caracterizar a interação de rabeprazol sódico e antiácidos, não foi detectada qualquer

 

CONFIDENCIAL

 

11

 

 

interação clinicamente significante com hidróxido de alumínio em gel ou hidróxido de magnésio.

 

Alimentos

 

e o prolongamento da absorção (AUC) não são alterados.

 

Ciclosporina

 

de voluntários sadios seguindo 14 dias com 20 mg de rabeprazol sódico. Este grau de inibição é similar ao do omeprazol em concentrações equivalentes.

 

REAÇÕES ADVERSAS

 

Estudos Clínicos

 

1%) foram erupção cutânea, mialgia, dor no peito, sensação de secura na boca, dispepsia, nervosismo, sonolência, bronquite, sinusite, calafrios, eructação, cãibras nas pernas, infecção no trato urinário, artralgia e febre.

 

Pariet*.

 

Experiência Pós-comercialização

 

Houve relatos de aumento de enzimas hepáticas e, raramente, de hepatite e icterícia. Em pacientes com cirrose de base foram relatados casos raros de encefalopatia hepática. Trombocitopenia, neutropenia, leucopenia, reações bolhosas ou erupções cutâneas urticariformes, reações alérgicas sistêmicas agudas também foram raramente relatadas, mialgia e artralgia. Houve relatos muito raros de nefrite intersticial, ginecomastia, eritema multiforme, necrólise epidérmica tóxica e Síndrome de Stevens-Johnson. Não houve

 

CONFIDENCIAL

 

12

 

 

qualquer outra anormalidade notável nos valores laboratoriais relacionados ao tratamento com rabeprazol sódico.

 

POSOLOGIA Geral:

 

O horário do dia não demonstrou apresentar qualquer efeito significante na atividade do rabeprazol sódico.

Adultos/idosos:

 

comprimido de 20 mg, uma vez ao dia, pela manhã. Alguns pacientes com úlcera duodenal ativa podem responder a 1 comprimido de 10 mg, uma vez ao dia, pela manhã.

 

A maioria dos pacientes com úlcera duodenal ativa apresenta cicatrização dentro de 4 semanas. Entretanto, para alguns pacientes podem ser necessárias 4 semanas adicionais de tratamento para se obter cicatrização completa. A maioria dos pacientes com úlcera gástrica benigna ativa apresenta cicatrização dentro de 6 semanas. Entretanto, para alguns pacientes podem ser necessárias 6 semanas adicionais de tratamento para se obter cicatrização completa.

 

recomendada para este quadro é de 1 comprimido de 20 mg, uma vez ao dia, durante 4 a 8 semanas.

 

uma vez ao dia, dependendo da resposta do paciente.

 

* uma vez ao dia quando necessário.

 

devem ser tratados com combinação apropriada de antibióticos, administrada por 7 dias:

 

  • amoxicilina duas vezes ao dia ou

  • duas vezes ao dia.

 

CONFIDENCIAL

 

13

 

 

Os melhores resultados para a erradicação, que excedem 90%, são obtidos quando o rabeprazol é usado em combinação com claritromicina e amoxicilina.

 

com qualquer dos esquemas acima resultou em cicatrização das úlceras duodenais ou gástricas sem necessidade de tratamento contínuo da úlcera.

 

* e em um estudo especificamente desenhado não foi observada qualquer interação com antiácidos líquidos.

, em combinação com dois antibióticos adequados, deve ser tomado duas vezes ao dia.

Os pacientes devem ser alertados para não mastigar ou triturar o comprimido, mas sim degluti-lo inteiro.

 

disfunção renal.

 

Pacientes com disfunção hepática leve a moderada apresentam maior exposição ao rabeprazol sódico em uma dose conhecida do que pacientes saudáveis.

 

Não é necessário ajuste da dose em idosos.

experiência com seu uso neste grupo de pacientes.

 

SUPERDOSE

 

Dados de estudos em animais

 

As doses letais de rabeprazol sódico após administração de dose única por via oral excedem a 1000 mg/kg em camundongos, 1300 mg/kg em ratos e 2000 mg/kg em cães, representando aproximadamente 2500 a 5000 vezes a dose humana, e por via intravenosa excedem a 200 mg/kg em camundongos e 150 mg/kg em ratos. Para fins comparativos, níveis de pico plasmático que são 8 a 37 vezes as concentrações terapêuticas para o homem são alcançados após a primeira dose oral de 100 mg/kg para camundongos, 25 mg/kg (oral) em cães e 10 mg/kg (I.V.) em ratos.

 

 

 

CONFIDENCIAL

 

14

 

 

Sintomas

 

A experiência em casos de superdose é limitada. A exposição máxima estabelecida não excedeu 60 mg duas vezes ao dia ou 160 mg uma vez ao dia. Os efeitos são, em geral, mínimos e reversíveis sem necessidade de intervenção médica adicional.

 

Tratamento

 

Nenhum antídoto específico é conhecido. O rabeprazol sódico é extensivamente ligado às proteínas plasmáticas e, portanto, não é facilmente dialisável.

 

Como em qualquer caso de superdose, o tratamento deve ser sintomático enquanto medidas gerais de suporte são adotadas.

 

PACIENTES IDOSOS

 

Não é necessário ajuste da dose em idosos.

 

apresentou um acréscimo de 60% quando comparada com voluntários sadios jovens. Entretanto, não houve evidência de acúmulo da droga.

 

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

 

M.S. 1.1236.3348

 

Resp. Téc. Farm.: Marcos R Pereira - CRF-SP n° 12304

 

Número do Lote, Data de Fabricação e Validade: Vide Cartucho.

 

 

Fabricado por:

 

Eisai Co

 

950, Hiroki, Ohaza, Misato-Machi, Kodama- Gun,

 

Saitama- Ken, Japão

 

Importado por:

 

JANSSEN-CILAG FARMACÊUTICA LTDA.

 

Rodovia Presidente Dutra, km 154 - São José dos Campos - SP CNPJ 51.780.468/0002-68

 

* TM Eisai Co., Ltd., Tokyo, Japan

 

SAC - 0800.7011851 www.janssen-cilag.com.br

 

CONFIDENCIAL

 

CCDS0506